Buscar
  • Cosme Alves

De quando eu li Dois Garotos se Beijando


Estou abobalhado até agora com esse livro, que por sinal, se tornou um dos meus favoritos. Os rapazes de Dois Garotos Se Beijando são exemplos perfeitos de garotos que curtem garotos nos dias atuais. É importante notar que eles representam esses garotos, porque a característica do livro que mais me chamou a atenção foi simplesmente a narrativa. Calma, já, já você entende! O enredo é simples: quatro histórias paralelas que vão se desenvolvendo no decorrer do livro e alternando-se entre si. Em determinados momentos, as histórias se entrelaçam e dão mais emoção à trama. Então, temos os núcleos:


Peter e Neil – Um casal já firmado que se gostam e estão juntos há um ano. Estão enfrentando os primeiros problemas que todo casal enfrenta, no caso deles, a família.

Craig e Harry – São amigos (ex-namorados) que se unem para quebrar um recorde e mandar uma mensagem. Um amigo deles, Tariq, havia sofrido fortemente com Homofobia, então tiveram a ideia de quebrar o recorde e ajudar o amigo e as pessoas que se encontram na mesma situação, por exemplo.


Ryan e Avery – Dois garotos que se conhecem numa festa e acabam por tentar um relacionamento apesar de todos os seus medos das relações clichês que tanto os perseguem.


Cooper – um garoto que passa a noite nas salas de bate-papo teclando com homens de todos os tipos e não tem coragem de sair de sua zona de conforto , o que, aliás, acontece muito. Tudo isso muda quando seus pais descobrem que ele é gay e o que faz durante à noite.

Como disse anteriormente,  a melhor parte da narrativa de David Levithan é que dessa vez não encontramos um narrador em primeira pessoa ou terceira, encontramos vários narradores.


Isso mesmo, a voz do narrador é sempre no plural e, pelas suas falas, pelas suas descrições e divagações, percebemos que são os Garotos que Beijam Garotos de antes, de uma ou duas gerações anteriores dos protagonistas. Ou seja, o livro é narrado por gays de gerações anteriores e estão contando a história dos garotos e ao mesmo tempo vão nos mostrando vislumbres de como foi ou teria sido os fatos no tempo deles. A narrativa é acompanhada por essas vozes do passado.

Eu simplesmente me apaixonei por essa tática. Em momento você está vendo o Cooper fugindo de casa porque os pais descobriram e os narradores  falam da situação dele e das suas no seu próprio tempo. Ao lermos as divagações dos narradores voltamos no tempo e vamos refletindo, junto com o autor, sobre a condição de ser homossexual duas, três ou quatro décadas atrás.


O livro nos prende no presente e nos arrasta para um tempo já passado, e o melhor, quando ele nos arrasta ao passado, toda a carga de emoção que os Garotos Que Beijam Garotos de antes sentiam nos cai como uma bomba.  


O Desenrolar da história baseia-se nesses narradores acompanhando nossos protagonistas, o que acaba sendo uma aventura linda e emocionante ao mesmo tempo.

Juro que me senti muito mais forte com a leitura desse livro, com os pensamentos de seus narradores e com todas as emoções sentidas no decorrer da história: amor, raiva, alegria e muita nostalgia.  


É um livro que eu indico muito para adolescentes, gays, héteros, pais, professores e toda a sociedade de forma geral. 



Título: Dois Garotos Se Beijando

Autor: David Levithan

Editora: Galera Record

Páginas: 224

Ano: 2015



@cosmelanio | 10 Quotes de Dois Garotos se Beijando


Para quem leu Dois Garotos se Beijando sabe que o romance é repleto de lições que os narradores nos passam sem o tom de moralismo, ás vezes, nem percebemos que ali tem um conselho disfarçado, e dos bons! Então, separei alguns quotes do livro para vocês lembrarem (ou conhecerem) um pouco da narrativa de David Levithan.


1 "A primeira frase da verdade é sempre a mais difícil. Cada um de nós teve a primeira frase, e a maioria de nós encontrou forças para proferi-la em voz alta para alguém que merecia ouvir". pg. 64

2 "O compartilhamento de palavras se torna tão importantes quanto as palavras em si. A sensação fica com vocês, prende vocês ao mundo". pg. 67

3 "Se juntarmos armários suficientes, temos o espaço de um quarto. Se juntarmos quartos suficientes, temos o espaço de uma casa. Se juntarmos casas suficientes, temos o espaço de uma aldeia, de uma cidade, do mundo". pg. 72

4 "Esse é o problema de erguer uma barreira entre você e todo mundo: você vê, mas as pessoas não". pg. 75

5 "Se você se livrar de toda a merda idiota e arbitrária com a qual a sociedade controla a gente, vai se sentir mais livre, e, se você se sentir mais livre, vai se sentir mais feliz". pg. 77

6 "É um mundo muito traiçoeiro que pede constantemente que você comente, mas não liga para o que você têm a dizer". pg. 139

7 "Sabemos como é precisar se segurar. Nós nos seguramos em vocês". pg. 135

8 "Não tem momento melhor do que o presente". pg. 105

9 "É difícil parar de ver seu filho como seu filho e vê-lo como ser humano. É difícil parar de ver seus pais como pais e vê-los como seres humanos. É uma transição bilateral , e pouquíssimas pessoas conseguem fazê-la com tranquilidade". pg. 98

10 "E alguns de nossos pais, quando descobriram que estávamos doentes, pararam de ser dragões e passaram a ser matadores de dragões". pg. 97




@cosmelanio | Se a trilha de Dois Garotos se Beijando fosse minha


Eu, simplesmente, colocaria apenas uma música. Mas uma que traduzisse todo o poder que a narrativa tem, todo o valor do beijo de Craig e Harry, todo o medo de Cooper, todas as dúvidas de Ryan e Avery e todos os momentos de Peter e Neil. Sim, uma única música resume muito bem o que o livro nos mostra. Principalmente partindo dos olhos dos narradores.

Estou falando da canção Read all about it - Part III (Ler tudo sobre isso - parte 3), interpretada por Emeli Sandé.

Obs: Como é uma música na língua inglesa, conversaremos aqui com uma tradução (livre) dela no português brasileiro.

O que mais me chamou atenção é a forma como o eu lírico da música parece está falando , dando força, colocando as pessoas para cima, como um impulso.


A primeira estrofe da música começa instigando a pessoa a falar de si, do que sente, daquilo que pensa. Essa parte pode ser identificada em todos os personagens, principalmente em Harry e Craig, pois eles tomam a decisão de falar, de agir, de beijar.


"Você tem as palavras para mudar uma nação,

Mas está mordendo sua língua

Você passou um tempo da vida preso no silêncio

Com medo de dizer alguma coisa errada

Se ninguém te ouve, como vamos aprender a sua canção?

Então vamos lá, vamos lá, vamos lá, vamos lá."

Na segunda estrofe eu percebi muito do Cooper, da forma como ele não percebe a força que tem, isolando assim, os outros que estão ao seu redor, principalmente sua família. Vejo um Cooper inocente, sem saber do poder que tem.

"Você tem um coração tão barulhento quanto leões

Então, por que deixa sua voz ser domesticada?

Amor, estamos um pouco diferentes

Não há necessidade de se envergonhar

Você tem a luz para combater as sombras

Então pare de esconder isso

Vamos, vamos".

A terceira parte me lembra muito as pessoas que apoiaram o beijo de Craig e Harry, especificamente, Smita, Tariq, os pais de Harry e tantos outros. Todos juntos por um objetivo coletivo.

"Eu quero cantar, quero gritar

Eu quero gritar até que as palavras sequem

Então vou colocar tudo nos jornais

Eu não tenho medo

Eles podem ler tudo sobre isso

Ler tudo sobre isso, não".

Nessa quarta parte, percebi muito do raciocínio de Avery e Ryan. Pensamento de quem arrisca, de quem luta pelo que quer, não importando o que os outros pensam.

"Essa noite, estamos acordando os vizinhos

Enquanto cantamos blues bem alto

Tendo certeza de que vamos nos lembrar, sim

Porque todos importamos muito

Se a verdade for proibida

Então nós estamos quebrando todas as regras

Então vamos lá, vamos lá

Vamos lá, vamos lá".

Essa próxima parte me lembrou muito da cumplicidade entre Neil e Peter.


"Vamos ligar a tv e o rádio para tocar nossa música de novo.

É sobre quanto tínhamos alguns momentos da nossa versão dos fatos"

Esse trecho parece que foi escrito pelos narradores do romance.


"Não tem motivo pra ter medo

Eu vou cantar com você, meu amigo

Vamos lá, vamos lá."

A passagem seguinte parece algo traduzido do pensamento de Craig e Harry.

Sim, somos todos maravilhosos, pessoas maravilhosas

Então, por que temos tanto medo?

Agora estamos finalmente encontrando nossas vozes

Então aproveite a chance, vem me ajudar cantar essa canção.

Sim, nós somos todos maravilhosos, pessoas maravilhosas

Então, por que temos tanto medo?

E agora estamos finalmente encontrando nossas vozes

Então aproveite a chance, vem me ajudar cantar essa canção.

Read All About it - part III é uma daquelas músicas que mexe com você, com o que você pensa e com o que está acontecendo à sua volta.

As várias histórias retratadas no livro Dois Garotos Se Beijando é uma mensagem de força, de apoio, de encorajamento. Então, façamos como diz a música, vamos fazer eles lerem tudo sobre isso, lerem tudo sobre isso!!


11 visualizações